quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Reequilibrio do plantel

No próximo sabado a equipa do Sporting joga as 18h contra a equipa do Nacional da Madeira que estando a fazer um péssimo campeonato está em igualdade pontual com a nossa equipa. Vercauteren reafirma que o objectivo é o terceiro lugar, que está a nove pontos de distancia. Na minha opinião devemos ir jogo a jogo, fazendo as contas no final, no entanto este é o último jogo do ano e é fulcral conseguir a vitória, sabendo de antemão que o jogo seguinte apenas se disputará no fim de semana de 6 de Janeiro. Assim sendo, e tendo dois jogos para a Taça da Liga pelo meio, o treinador do Sporting tem que perceber de uma vez por todas quais os jogadores com que conta para atacar a segunda parte da época, sabendo que haverá uma reabertura do mercado durante o mês de Janeiro e a equipa necessita de ser reequilibrada.

É do conhecimento geral as dificuldades financeiras que a nossa equipa enfrenta, e está visto que a revolução operada na época transacta não funcionou, resta com os activos que temos construir o melhor grupo possivel tentando realizar algumas vendas.
A equipa b tem um conjunto de bons valores, mas julgo que devem continuar a crescer na mesma, pois não é o momento ideal para serem lançados.

Assim sendo, julgo que Dier deveria baixar a equipa B para ter oportunidade de jogar, de preferencia como central, sendo que a lateral direita deve ser entregue a Cedric e Pereirinha, bem sei que o primeiro está a desiludir e já cometeu muitos erros esta época (não sendo caso único), mas pelo menos não é uma adaptação e o rendimento global da equipa do Sporting e individual dos seus jogadores não pode ser pior, logo a tendência é melhorar, e tem valor para isso.
No centro da defesa apenas temos 3 jogadores, penso que os da equipa B, devem continuar a trabalhar regularmente na equipa principal, mas devemos atacar a parte final da época com os três que temos. Na lateral esquerda é mais preocupante pois apenas temos Insua e apenas há o Mica na equipa B, que não parece estar ao nível de uma primeira liga, sabendo que temos Turan e Evaldo emprestados, sendo que o segundo nem sequer está a ser utilizado, podia funcionar como uma alternativa a Insua para a etapa complementar da temporada.

Para a posição de trinco temos Carriço e Gelson. A posição "8" é que conta com Rinaudo, Schaars, A. Martins, Adrien e Elias, parece-me um numero exagerado para quem tem uma equipa B e como tal apenas deveriam continuar dois jogadores, na minha opinião seriam os portugueses, da nossa escola, mais jovens, mais baratos e na minha opinião com mais qualidade para a posição. Já a posição "10", conta neste momento com Labyad, Izmailov e Pranjic. Labyad ainda não mostrou o porque de ser considerado das maiores promessas na Europa, contudo a posição em que o mais gostei de ver foi a 10 no adeus à Liga Europa. Izmailov é indiscutivelmente dos melhores jogadores do Sporting, mas é preciso decidir de vez se tem condições para jogar ou se apenas o pode fazer algumas vezes por época, caso não possa ser aposta regular julgo que não vale a pena continuar a insistir e se deve tentar realizar um encaixe financeiro com a sua venda, caso contrário sobra Pranjic, devendo ser este a abandonar.

Na frente falta uma alternativa a Wolfswinkel, é pena não termos ficado com Amido Baldé que está neste momento em boa forma ao serviço do Vitória de Guimarães. Temos na deireita Carrillo e Viola e na esquerda Capel e Jeffren, também ele muito atingido por problemas fisicos, mas vamos ver como ser porta na segunda metade da época.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

A posiçao "6"

No seguimento da grande entrega de Rinaudo no derby de segunda-feira, ou melhor da entrega habitual, uma vez que trata-se de um jogador a quem não se pode apontar nada, é um jogador de grande profissionalismo, muitas vozes se insurgiram contras as declarações de Manuel Fernandes que o consideram um anarquista táctico.

Na minha opinião, Manuel Fernandes tem razão, a posição 6 é uma posição fulcrar para dar equilibrio à equipa e consistencia defensiva e como tal deve ser ocupada por jogadores tacticamente muito fortes. Rinaudo apesar da sua enorme garra e entrega é um jogador que tenta jogar em antecipação constantemente, pressionando muitas vezes fora da sua zona de acção o que nos permite por vezes recuperar a bola cedo, permitindo sair em contra-ataque, mas quando falha na sua investida deixa a defesa entregue a si mesma, dado que não tem velocidade para recuperar e não tem neste momento Schaars que é um jogador mais posicional e funciona sempre como ajuda neste tipo de situações.
Nos jogos como o de segunda-feira não há grandes problemas, dado que a equipa está bem posicionada e com um bloco baixo grande parte do tempo, no entanto nos restantes jogos em que a equipa joga mais ao ataque, o Sporting fica refém dos contra-ataques adversários sem um "tampão" que lhes faça frente. A meu ver, Rinaudo, à semelhança de André Santos é mais um "8" que um "6".

Julgo também que um dos problemas do Sporting nos últimos anos é a falta de um jogador que cumpra bem essa função. Desde os mal-amados Veloso ou Custódio que a consistencia defensiva do Sporting tem piorado, bem como a classificação e as exibições. Bem sei que não eram jogadores com a entrega de Rinaudo mas tinham capacidade de segurar o meio campo e como bem se sabe não é preciso correr muito, é preciso correr bem, sendo Xabi Alonso um grande exemplo disso, dando equilibrio à equipa do Real Madrid (que tem vários jogadores que pouco ou nada defendem) sem grande esforço aparente, parecendo estar sempre no sitio correcto.

Na minha opinião, deveria ser dada a oportunidade a Carriço que consegui dar alguma estabilidade à equipa na época transacta na posição, tendo sido um erro deixar de ser a primeira opção para a posição "6" no jogo em Bilbao para a Liga Europa.
Rinaudo a meu ver poderia ser um complemento a Carriço, jogando como "8", ao invés de Elias que se trata de um jogador que se esconde muito do jogo e julgo que esta dupla seria capaz de garantir a estabilidade defensiva dando maior liberdade ao quarteto da frente para atacar.