segunda-feira, 30 de julho de 2012

Os últimos tempos

Nestes últimos dias houve algumas situações que me agradaram. Desta forma, foi com muito agrado que recebi a noticia de que os excedentários Rodriguez e Luís Aguiar já não pertencem aos quadros do clube, mesmo não sabendo bem os contornos dos negócios, espero que Pongolle, Bojinov e Grimi sigam o mesmo caminho.

Matias Fernandez também abandonou Alvalade, é um jogador que me agrada ver jogar e em quem depositava esperanças para abrir as defesas mais cerradas quando o Sporting tinha dificuldades nesse capitulo. A sua passagem foi contudo marcada por vários problemas físicos que talvez o tenham impedido de se afirmar como todos esperaríamos, sendo que na minha opinião, pelo menos nos últimos anos, sempre que esteva bem fisicamente correspondeu. No entanto, entendo perfeitamente a sua saída, sendo um negócio semelhante ao do João Pereira, onde o Sporting recuperou o investimento que fez nos atletas e além   de tornar mais leve a folha salarial tem oportunidade de lançar jovens como Pereirinha ou Cedric e Labyad ou André Martins, sendo que qualquer um deles poderá fazer-nos esquecer os seus antecessores.

Por fim, resta dizer que fiquei agradado com a exibição da Sporting no seu jogo de apresentação aos sócios, onde concordo com Sá Pinto, a equipa está a evoluir. Não gostei muito dos minutos iniciais onde Elias e Schaars tiveram dificuldade em sair a jogar entregando a construção de jogo aos centrais, no entanto quando o jogo assentou a nossa equipa arrancou para um boa exibição. Destacando-se as incursões de Elias no apoio ao ataque, a exibição de Marcos Rojo, que além de ter mostrado segurança com a bola nos pés, cortou inúmeros ataques adversários graças ao seu bom jogo aéreo. 
Também gostei de ver um Sporting a jogar pelo centro do terreno e não um jogo somente pelas laterais à semelhança do ano passado, permitndo ver van Wolfswinkel a fazer várias desmarcações no sentido de se isolar, recordando-me de pelo menos duas situações em que conseguiu receber a bola desta forma, uma em que ofereceu o golo a André Martins e outra no lance do segundo golo do Sporting. Acredito que com o decorrer da pré-época nos tornaremos ainda mais fortes neste capitulo, não ficando tão dependentes do jogo pelas laterais com cruzamentos para a área, onde muitas vezes se encontra o nosso ponta de lança sozinho. Neste capitulo destaque para Carrillo que já mostrou que aparece bem na área a finalizar de cabeça, julgo que esta característica deve ser tida em conta por Sá Pinto, quando escolher o seu 11.
Gostei bastante da dinâmica da equipa da segunda parte apesar das substituições que naturalmente iam quebrando um pouco o ritmo, sabendo no entanto que o jogo se tornou mais fácil a partir do momento em que ficamos em vantagem.
Faltam disputar agora dois troféus, o Columbino e o Cinco Violinos, julgo que Sá Pinto começará a afinar o 11 e podemos começar a ficar com uma ideia mais real do que será o Sporting esta época.

Sem comentários:

Enviar um comentário